Núcleo de Cinema

Para a seleção dos filmes de 2018, contamos com a colaboração do cineasta José Araripe Junior, do mestre em Cinema e Arquitetura Raimundo Chagas e da psicanalista Vanessa Santoro, também membro do Círculo Psicanalítico de Minas Gerais.

Programação dos filmes em 2018:
28/03/2018 – “Com Amor, Van Gogh” – Debatedor: José Araripe Jr - Cineasta membro da ABRA - Associação Brasileira de Autores Roteiristas
25/04/2018 – “O Discurso do Rei” – Debatedor: Helson Ramos – Psicólogo, especialista em Psicologia Clínica e Psicanalista em Salvador.
30/05/2018 – “Bem Me Quer” – Debatedora: Cibele Prado Barbieri - Psicóloga, Psicanalista, Membro do Círculo Psicanalítico da Bahia
Junho/Julho – Não houve apresentação devido aos jogos da Copa do Mundo.
29/08/2018 – “Melancolia” – Gabriela Lazarini - Psicóloga, Psicanalista

Como tudo começou – O elo cinema-psicanálise foi estabelecido formalmente em 1925. Próxima de completar 100 anos, esta ligação se iniciou quando o então presidente da Associação Internacional de Psicanálise Karl Abraham (ex-aluno e colaborador de Freud) consultou o mestre sobre o projeto do produtor cinematográfico Hans Neumann, da UFA (Universum Film Aktien Gesellschaft, um complexo para distribuição e produção de filmes fundada em 1917, na Alemanha) de Berlim, para a produção de um filme de base psicanalítica. Neumann – interessado não apenas em desenvolver filmes educacionais e intelectuais como também na difusão da prática da Psicanálise na Alemanha – criou o projeto.

A recusa de Freud para o projeto apelava para o seguinte argumento encontrado no livro LACOSTE, Patrick. 1991. Psicanálise na tela. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar: “Minha principal objeção é que não me parece possível fazer uma apresentação plástica minimamente séria de nossas abstrações". Não satisfeito com a negativa, Neumann, com a intermediação de Abraham, reapresenta-lhe o projeto um mês depois. Desta feita foi acatado pois, passou a contar com a participação de Hanns Sachs (um de seus colaboradores), chegando à conclusão de que o cinema poderia ser um meio de “tornar figuráveis, mesmo as coisas mais abstratas” (Lacoste, 1991). 

Assim é que, em março de 1926, foi lançado Segredos de uma Alma, filme onde pela primeira vez e deliberadamente ficava estabelecida a ligação do cinema com a psicanálise. A partir daí, não cessaram de aparecer produções cinematográficas tocando questões as mais variadas de interesse psicanalítico. 

Círculo Psicanalítico da Bahia